Paraná

STJ nega remédio para bebê que sofre com síndrome rara que coloca sua vida em risco

Foto: Reprodução
STJ nega remédio para bebê que sofre com síndrome rara que coloca sua vida em risco
Redação
OBemdito
22 de junho de 2022 10h35

A família do pequeno Vinicius Brito Samsel, de 2 anos e 5 meses, está vivendo momentos de tristeza após o STJ (Supremo Tribunal de Justiça) negar o pedido para o remédio do bebê, que sofre com Atrofia Muscular Espinhal (AME) – doença rara que atinge uma a cada 10 mil nascidos vivos.

A AME é considerada a principal causa genética de mortes em bebês, pois afeta a capacidade dos pequenos se de moverem, engolirem e até respirarem. Em Vinicius Brito, a doença foi diagnosticada quando ele possuía somente quatro meses, e aos seis meses o bebê iniciou os procedimentos necessários.

É uma constante luta pela vida que Vinicius enfrenta diariamente. Muitas pessoas se comoveram com a condição do menino, e se mobilizaram para ajudar a custear seu tratamento através de vaquinhas online, doações e campanhas.

Uma alternativa para tratamento de Vinicius é um remédio chamado Zolgensma – considerado o remédio mais caro do mundo, custando em torno de R$ 9 milhões. Ao ser administrado na criança ainda pequena, o remédio pode impedir o avanço da doença. Foi pensando nisto que a advogada da família protocolou um pedido requisitando que o Estado contribuísse para salvar a vida da criança.

Entretanto, o pedido foi negado, nesta terça-feira (21) pelo Supremo Tribunal de Justiça, que alegou divergências na eficácia do medicamento.

Sobre a doença e o medicamento

A Atrofia Muscular Espinhal afeta os neurônios motores, o que causa uma fraqueza e atrofia muscular, que afeta a capacidade dos infantes em respirar, comer e se movimentar. Quando administrado desde cedo na criança, o Zolgensma corrige o efeito genético causado e contribui na produção da proteína que é bloqueada pela doença.

(Redação, com informações CBN e Tribuna do Interior)

Participe do nosso grupo no WhatsApp e receba as notícias do OBemdito em primeira mão.

LEIA TAMBÉM