Colunistas

Umuarama 66 anos e o inferno astral do prefeito Celso Pozzobom

Umuarama 66 anos e o inferno astral do prefeito Celso Pozzobom
Valdir Miranda
OBemdito
14 de junho de 2021 11h34

Primeiro ponto

Junho é o mês do aniversário de Umuarama. No próximo dia 26, a cidade completa 66 anos de sua fundação. Ao longo desse tempo, o mês foi usado para cantar as glórias do seu povo e os seus feitos. 

Por óbvio, 2021 será um ano atípico, pois além de uma pandemia que demonstra uma resistência atípica que não recomenda abrir mão ou mesmo abrandar as medidas de prevenção (principalmente uso de máscara e distanciamento social), a descoberta, pelo Ministério Público, de uma enorme falcatrua com o dinheiro público, afasta qualquer chance de um aniversário festivo, de uma comemoração que seja. 

E o inferno astral do prefeito Celso Pozzobom parece estar apenas começando, apesar de, publicamente, ele procurar demonstrar certo alheamento do escândalo dos desvios financeiros. 

Nessa semana, a CPI instalada na Câmara de Vereadores começa a ouvir as pessoas que foram apontadas pelo Ministério Público como envolvidas com o misterioso desaparecimento de 19 milhões de reais destinados à saúde pública de Umuarama. 

A ex-secretária de Saúde do município, Cecília Cevidini, será a primeira. Espera-se que a CPI, presidida por uma professora, Ana Novaes, relatada por um advogado, Mateus Barreto, e tendo um profissional autônomo, Sorrisal, como membro, esteja necessariamente preparada e bem assessorada para fazer o seu trabalho. Sabe-se que não será uma tarefa fácil. 

Mas o prefeito também enfrenta um pedido de cassação apresentado na Câmara Municipal protocolado pelo deputado estadual Delegado Fernando Martins.

Já foi criada uma Comissão Processante composta por três vereadores e começou a correr os prazos regimentais; assim como viu dar entrada na Justiça de uma Ação Popular, elaborada pelo advogado Alessandro Yokohama, que pede o afastamento do prefeito.

Tudo isso em meio às investigações do Ministério Público iniciadas em 2020 e que, ainda em andamento, correm em segredo de Justiça.

Segundo ponto

Some-se ao que vai acima o aumento dos rumores nos últimos dias sobre a possibilidade dos presos pela Operação Metástase fecharem acordo de delação com o Ministério Público. 

Por esse expediente, os presos e acusados de desviarem aquele volume de dinheiro público, poderão ter a situação aliviada se colaborarem com a Justiça, denunciando outros envolvidos ou mesmo os chefões do esquema de corrupção. 

Todos os que foram detidos pela Polícia no dia 5 de maio passado, ou que ainda se encontram detidos na cadeia de Campo Mourão, ou em prisão domiciliar monitorados por tornozeleira eletrônica. 

Definitivamente, Umuarama não tem o que comemorar nesses 66 anos de sua fundação.  

Ou mais… 

A coluna deu uma olhada na Biblioteca do campus Tiradentes da Unipar onde se encontram as encadernações das edições dos jornais Gazeta de Umuarama e Tribuna do Povo. O primeiro, fundado por Lúcio Pepino e o segundo por Said Silva Neto. 

A Gazeta começou a circular em 1962, e a Tribuna em 1973. Tive o prazer de escrever nos dois periódicos. Ainda vou procurar os arquivos do Umuarama Ilustrado, fundado também em 1973 por Ilídio Coelho Sobrinho e Ítalo Fábio Casciola (o velho “Chila”, amigo do peito), assim como vasculharei a Biblioteca Municipal Rocha Pombo, onde podem estar guardadas antigas publicações do Ferrão, um jornal que circulou também na década de 60. 

Já que não temos como comemorar o aniversário da cidade, vamos relembrar seu passado, sua história. Até a próxima. 

__________________

  • VALDIR MIRANDA é colunista político do OBemdito.

LEIA TAMBÉM